Esclerose Múltipla
Saúde e Bem Estar

08 Novembro 2019

Esclerose Múltipla

Esclerose Múltipla

Esclerose Múltipla

O que é a Esclerose Múltipla?

A Esclerose Múltipla é uma patologia crónica, autoimune e inflamatória com caráter degenerativo.
Esta doença afeta o Sistema Nervoso Central e consiste essencialmente num desequilíbrio do Sistema Imunitário e ao seu consequente mau funcionamento. Este mau funcionamento leva o organismo a atacar a mielina, cuja função é rodear, proteger e alimentar os neurónios.

Ainda que não seja uma doença fatal, a Esclerose Múltipla é uma doença extremamente incapacitante  e tem um impacto bastante significativo na quotidiano dos pacientes.
Com a destruição de mielina surgem dificuldades ao nível da comunicação entre o cérebro e o corpo, o que aliado à inflamação associada à doença gera diversas complicações.

Regra geral, a Esclerose Múltipla, é diagnosticada entre os 20 e os 30 anos e a sua evolução é variável, tendo sido estabelecidos quatro tipos para a classificar:

  • A forma Recidivante-remitente (a forma mais comum da doença).

  • A forma Secundariamente Progressiva

  • A forma Primariamente Progressiva.

  • A forma Remitente-progressiva.

 

O que causa a Esclerose Múltipla?

Ainda não está definida uma causa específica para a Esclerose Múltipla, no entanto, há diversos fatores identificados como sendo fatores de risco para o desenvolvimento da doença, nomeadamente:

  • Fatores genéticos.

  • Alergias.

  • Fatores de natureza imunológica, viral e bacteriana.

  • Fatores ambientais.

  • Lesões de ordem física.

  • Défice de Vitamina D.

 

Quais são os sintomas da Esclerose Múltipla?

A sintomatologia associada à Esclerose Múltipla é bastante variável e imprevisível uma vez que que os sintomas dependem diretamente das zonas do Sistema Nervoso Central que são afetadas.
Os sintomas são experienciados de forma diferente por todos os pacientes, podendo variar em intensidade e duração.

Alguns dos sintomas mais comuns da Esclerose Múltipla são:

  • Dormência.

  • Sensação de rigidez e espasmos musculares.

  • Fraqueza.

  • Fadiga.

  • Alterações ao nível da marcha.

  • Tonturas.

  • Tremor.

  • Problemas de visão.

  • Convulsões.

  • Dor.

  • Dificuldades cognitivas.

  • Alterações ao nível da fala.

  • Perda de audição.

  • Alterações emocionais.

  • Depressão.

  • Problemas respiratórios.

  • Disfunção da bexiga.

 

Tratamento

Terapêutica Farmacológica

Há vários medicamentos eficazes na prevenção de episódios surto-remissão, que ajudam no controlo da doença.
Estes fármacos têm diferentes objetivos, nomeadamente:

  • Diminuir a frequência dos episódios.

  • Aliviar a sintomatologia.

  • Controlar a inflamação.

  • Abrandar a progressão da incapacidade.

 

Prevenção

Não sendo conhecida a causa exata, não é fácil definir medidas exatas de prevenção para a Esclerose Múltipla.
No entanto, não fumar, tentar regular valores de Vitamina D e evitar a exposição a produtos tóxicos pode ser um bom começo. 

 

 


Deixe o seu comentário sobre este artigo

O formulário foi submetido com sucesso.
Campo de preenchimento obrigatório.
Campo de email inválido
Campo com limite máximo de caracteres
Este campo não coincide com o anterior
Campo com limite mínimo de caracteres
Ocorreu um erro na submissão, por favor reveja o formulário.

* Campos de preenchimento obrigatório.